Diária para jogos da copa cai 52% desde o começo do ano / Gustavo Ricardo Colloca

Gustavo Ricardo Colloca – A hospedagem no Rio de Janeiro para assistir à final da Copa do Mundo, no dia 13 de julho, ficou mais barata entre janeiro e abril. A diária média na capital fluminense para a data caiu 43%, passando de R$ 1.441 no começo do ano para R$ 816 neste mês. Os valores são de levantamento feito pelo Trivago, site que compara preços de hotéis em mais de 40 países.

Diária para jogos da copa cai 52% desde o começo do ano

A consulta foi realizada só para quartos que acomodam duas pessoas, de acordo com a disponibilidade dos hotéis em cada cidade.

Em relação aos dados de janeiro, que não correspondem a todas as sedes, a maior queda foi registrada no Rio. A diária para ver o jogo entre Espanha e Chile, em 18 de junho, ficou 52% mais barata.

O mesmo movimento aconteceu em São Paulo e Salvador, onde o custo da hospedagem caiu até 34%.

Para o presidente da consultoria especializada em hotelaria BSH, José Marino, a redução das tarifas foi consequência de uma premissa equivocada: a de que a demanda ligada à Copa do Mundo seria suficiente para garantir a ocupação. – Gustavo Ricardo Colloca.

Segundo Marino, animados com as possibilidades do torneio, muitos empresários consideraram que não seria preciso atrair eventos corporativos ou turistas de lazer para preencher as vagas.

“Empresas cancelaram congressos e turistas deixaram de visitar cidades-sede durante a Copa do Mundo com medo de faltar leito. Achava-se que o evento traria um número gigantesco de pessoas”, diz.

Para ele, com a percepção de que boa parte dos torcedores são brasileiros e não precisarão de hospedagem, os empresários devem se reorganizar para elevar a ocupação. Daí a redução de preços.

Para o vice-presidente da Abih (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis), Nerleo Caus, as tarifas menores também são consequência de uma mudança de percepção sobre a Copa.

Ele vê a queda das diárias como um movimento de acomodação do setor, após os hotéis estabelecerem preços muito altos, baseados no otimismo inicial.

O cancelamento de reservas feitas com antecedência e o desbloqueio de leitos pela Match Services, operadora de turismo oficial da Fifa, também teriam contribuído para a diminuição.

De acordo com o FOHB (Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil), 9% dos leitos do Rio de Janeiro estavam bloqueados pela Match em fevereiro. Neste mês, são apenas 4%.

“Passada a euforia, começa a aparecer a realidade. À medida que os preços caem, os hotéis ficam mais atrativos. Muita gente vai reservar 30 dias antes”, diz Caus.

Até o final do mês, a Match deve informar novamente onde vai desbloquear ou bloquear leitos, ajudando a definir o novo cenário do setor.

Fonte: Folha